Travel & Tourism

Turismo preparado para voltar a níveis pré-pandémicos em algumas regiões em 2023

Após uma recuperação mais forte do que o esperado em 2022, este ano poderá ver as chegadas de turistas internacionais retornarem aos níveis pré-pandémicos na Europa e no Oriente Médio. Espera-se, no entanto, que os turistas busquem cada vez mais uma boa relação custo-benefício e viajem para mais perto de casa em resposta ao clima económico desafiador.

Com base nos cenários prospetivos da OMT para 2023, as chegadas de turistas internacionais podem atingir 80% a 95% dos níveis pré-pandémicos este ano, dependendo da extensão da desaceleração económica, da recuperação contínua das viagens na Ásia e no Pacífico e da evolução da ofensiva russa na Ucrânia, entre outros fatores.

O regresso a todas as regiões

A OMT antecipa um ano forte para o setor, mesmo diante de diversos desafios, incluindo a situação económica e a contínua incerteza geopolítica

De acordo com novos dados da OMT, mais de 900 milhões de turistas viajaram internacionalmente em 2022 – o dobro do número registado em 2021, embora ainda 63% dos níveis pré-pandémicos. Todas as regiões globais registaram aumentos notáveis no número de turistas internacionais. O Oriente Médio teve o maior aumento relativo, com as chegadas subindo para 83% dos números pré-pandémicos. A Europa atingiu quase 80% dos níveis pré-pandémicos ao receber 585 milhões de chegadas em 2022.A África e as Américas recuperaram cerca de 65% de seus visitantes pré-pandémicos, enquanto a Ásia e o Pacífico atingiram apenas 23%, devido a restrições mais fortes relacionadas à pandemia que começaram a ser removidas apenas nos últimos meses. O primeiro Barômetro Mundial de Turismo da OMT de 2023 também analisa o desempenho por região e analisa os melhores desempenhos em 2022, incluindo vários destinos que já recuperaram os níveis de 2019.

O Secretário-Geral da OMT, Zurab Pololikashvili, disse: “Um novo ano traz mais motivos para otimismo para o turismo global. A OMT prevê um ano forte para o setor, mesmo diante de diversos desafios, incluindo a situação económica e a contínua incerteza geopolítica. as pessoas viajam em 2023 e a OMT espera que a demanda por viagens domésticas e regionais permaneça forte e ajude a impulsionar a recuperação mais ampla do setor”.

Turistas chineses devem voltar

A OMT prevê que a recuperação continue ao longo de 2023, mesmo que o setor enfrente desafios económicos, de saúde e geopolíticos. O recente levantamento das restrições de viagem relacionadas ao COVID-19 na China, o maior mercado emissor do mundo em 2019, é um passo significativo para a recuperação do setor de turismo na Ásia e no Pacífico e no mundo. No curto prazo, a retoma das viagens da China provavelmente beneficiará os destinos asiáticos em particular. No entanto, isso será moldado pela disponibilidade e custo das viagens aéreas, regulamentos de vistos e restrições relacionadas ao COVID-19 nos destinos. Em meados de janeiro, um total de 32 países havia imposto restrições específicas de viagem relacionadas a viagens da China, principalmente na Ásia e na Europa.

Ao mesmo tempo, a forte demanda dos Estados Unidos, apoiada por um dólar americano forte, continuará a beneficiar destinos na região e além. A Europa continuará a desfrutar de fortes fluxos de viagens dos EUA, em parte devido a um euro mais fraco em relação ao dólar americano.

Aumentos notáveis nas receitas do turismo internacional foram registados na maioria dos destinos, em vários casos superiores ao crescimento das chegadas. Isso tem sido apoiado pelo aumento do gasto médio por viagem devido a períodos de permanência mais longos, a disposição dos viajantes de gastar mais em seu destino e maiores custos de viagem devido à inflação. No entanto, a conjuntura económica poderá traduzir-se numa atitude mais cautelosa dos turistas em 2023, com redução de gastos, viagens mais curtas e deslocações mais próximas de casa.

Além disso, a incerteza contínua causada pela agressão russa contra a Ucrânia e outras tensões geopolíticas crescentes, bem como os desafios de saúde relacionados ao COVID-19 também representam riscos negativos e podem pesar na recuperação do turismo nos próximos meses.

O mais recente Índice de Confiança da OMT mostra um otimismo cauteloso para janeiro-abril, superior ao mesmo período em 2022. Esse otimismo é apoiado pela abertura na Ásia e fortes gastos em 2022 de mercados de origem de turismo tradicionais e emergentes, com França, Alemanha e a Itália, bem como Qatar, Índia e Arábia Saudita, todos com bons resultados.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s