Comissão Europeia de Turismo publica relatório trimestral 02/2020

Viagens domésticas e de curta distância desempenharão papel crucial na recuperação do turismo europeu em meio a uma redução drástica da demanda

  • O setor de turismo na Europa lida com o aumento nos cancelamentos, declínio nas reservas e o aumento do desemprego em todo o setor, com as viagens à Europa que devem ser 54% menores em 2020 comparativamente a 2019
  • Prevê-se que a probabilidade de uma recuperação estável e rápida seja maior para destinos que dependem mais de viajantes domésticos e de curta distância
  • A atividade do consumidor está começando a aumentar, com o aumento de reservas de voos para destinos como Grécia, Portugal e Espanha nos meses de julho e agosto

De acordo com o último relatório trimestral da Comissão Europeia de Turismo (ETC) “Turismo Europeu: Tendências e Perspetivas”, a crise global da saúde deixou o setor de turismo na Europa enfrentando uma crise como nenhuma outra, com incerteza crescente em torno de sua recuperação. As últimas previsões indicam que as viagens à Europa devem ser 54% menores este ano do que em 2019.

Para minimizar os efeitos indiretos do surto, as economias na Europa estão começando a reabrir, estimulando o turismo a salvar as férias de verão e limitar as consequências financeiras da pandemia. O ritmo da recuperação por destino variará e dependerá da extensão em que eles dependem dos mercados internacionais emissores e da recuperação da confiança do consumidor.

A indústria do turismo continua a lutar diante da pandemia em curso

O relatório afirma que o impacto da crise global da saúde está se tornando claro, com o crescimento do turismo europeu permanecendo abaixo dos níveis de 2019 até 2023. Durante os primeiros quatro meses do ano, a Europa registrou um declínio dramático de 44% nas chegadas de turistas internacionais em comparação com o mesmo período em 2019. As perdas de empregos no turismo na Europa em 2020 podem ser monumentais, variando entre 14,2 milhões e 29,5 milhões. A incerteza ainda domina e a duração das restrições à pandemia será fundamental para determinar as perdas no setor.

Os dados relatados pelos destinos para os meses de abril / maio refletem o nível da interrupção causada pela pandemia. A Croácia (-86%) e Chipre (-78%) registaram as maiores quedas, refletindo as perdas consideráveis ​​dos principais mercados de fontes, como Itália e Reino Unido, que foram fortemente impactados pela pandemia. Apesar do declínio acentuado nas chegadas da Islândia (-52%), o sucesso em domar a propagação do vírus devido ao seu rigoroso sistema de rastreamento e rastreamento permitiu à ilha nórdica abrir com confiança sua fronteira para viagens internacionais neste verão.

Oportunidade de recuperação em viagens domésticas e de curta distância

A recuperação de viagens para todos os destinos em todo o mundo dependerá de fatores económicos, da velocidade com que as restrições de viagens são levantadas, da saúde da indústria da aviação e da aversão ao risco de viajantes em potencial. A probabilidade de uma recuperação rápida e estável da demanda de viagens provavelmente será maior para destinos que dependem mais de viajantes domésticos e de curta distância. Menor custo de viagem, restrições internacionais de viagem restantes, incerteza em relação à disponibilidade de transporte e uma aversão ao risco aumentada provavelmente aumentarão a preferência do consumidor por viajar mais perto de casa.

A quota média de viajantes domésticos é de 44,5% nos destinos europeus, enquanto as chegadas de curta distância representam 77% de todos os viajantes. Combinando chegadas de dentro do país e dependência de viagens de curta distância, a Alemanha, a Noruega e a Romênia são as mais resistentes e provavelmente mais rápidas e estáveis ​​na recuperação. Pelo contrário, Islândia, Montenegro e Croácia têm a pontuação mais baixa com maior risco de recuperação. Esses destinos têm pequenos mercados domésticos de turismo e uma dependência muito maior da demanda internacional, incluindo uma proporção considerável de viagens de mercados fora da Europa, que provavelmente estarão sujeitas a restrições por mais tempo.

Novas tendências do turismo

O relatório observa que o turismo como o conhecíamos deixou de existir, enquanto o sucesso está em abraçar rapidamente a digitalização e em alavancar novas tecnologias para se adaptar ao “novo normal” e às mudanças no comportamento do consumidor. Um setor tradicionalmente caracterizado por interações humanas agora terá que fornecer os mesmos aspetos intangíveis valiosos por meio de métodos mais sem toque em um mundo mais digitalizado. A sustentabilidade será fundamental para a construção de um setor mais resiliente e competitivo por meio da implementação de um modelo que seja economicamente, socialmente e ambientalmente viável a longo prazo.

Eduardo Santander, Diretor Executivo da ETC, declarou:

A pandemia da COVID-19 teve um impacto profundo em todo o setor. Estamos conversando há tanto tempo sobre crescimento sustentável, mudança climática, digitalização e inovação. Esta é uma oportunidade para pressionar o botão de reset, desafiar modelos pré-estabelecidos e finalmente levar a sério todos esses assuntos. Devemos usar a recuperação dessa situação terrível para acelerar a transformação e mudar para o turismo de amanhã.

O relatório completo pode ser baixado aqui.

Published by

Eveline Fernandes

Economist. Brand Manager

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s