• +(351) 92444-9490
  • info@turismoparatodos.org
  • Lisboa, Portugal
Travel & Tourism
70% dos destinos têm restrições de viagem levantadas, mas a diferença global está emergindo

70% dos destinos têm restrições de viagem levantadas, mas a diferença global está emergindo

Madrid, Espanha – O número de destinos fechados ao turismo internacional continua diminuindo. De acordo com a oitava edição do Relatório de Restrições de Viagem da OMT, 70% de todos os destinos globais abrandaram as restrições a viagens introduzidas em resposta à pandemia da COVID-19. Em comparação, apenas um em cada quatro destinos continua a manter suas fronteiras completamente fechadas aos turistas internacionais.

Lançado pela Organização Mundial do Turismo no início da pandemia, o Travel Restrictions Report acompanha as medidas que estão sendo tomadas em 217 destinos em todo o mundo, ajudando a apoiar os esforços de mitigação e recuperação do setor de turismo. Para esta última edição, a metodologia foi atualizada para oferecer insights sobre os fluxos turísticos dos destinos, bem como para explorar a ligação entre infraestrutura de saúde e higiene, desempenho ambiental e qualquer conexão potencial com restrições de viagens.

Abrindo continuamente de volta

O Relatório mostra que, a partir de 1 de novembro, um total de 152 destinos abrandaram as restrições ao turismo internacional, ante 115 registados em 1 de setembro. Ao mesmo tempo, 59 destinos mantiveram suas fronteiras fechadas aos turistas, uma redução de 34 no mesmo período de dois meses.

O Secretário-Geral da OMC, Zurab Pololikashvili, disse:

O levantamento das restrições a viagens é essencial para impulsionar nossa recuperação mais ampla dos impactos sociais e económicos da pandemia. Os governos têm um papel importante a desempenhar, fornecendo conselhos de viagem responsáveis ​​e baseados em dados e trabalhando juntos para eliminar as restrições assim que for seguro fazê-lo.

Quem facilitou as restrições mais rapidamente?

Analisando mais detalhadamente as atuais restrições de viagem relacionadas à COVID-19, o relatório lança uma nova luz sobre os fatores que conectam os destinos que abrandaram as restrições e aqueles cujas fronteiras permanecem fechadas. O estudo constatou que os destinos com pontuações mais altas nos indicadores de saúde e higiene, bem como no índice de desempenho ambiental, estão entre aqueles que abrandaram as restrições mais rapidamente. Além disso, esses destinos estão aplicando cada vez mais abordagens diferenciadas e baseadas em risco para implementar restrições de viagens.

Em comparação, os destinos que optam por manter suas fronteiras fechadas tendem a estar em economias emergentes com pontuações relativamente baixas em indicadores de saúde e higiene e índice de desempenho ambiental. A maioria desses destinos está na Ásia e no Pacífico, com muitos pertencendo aos SIDS (Pequenos Estados Insulares em Desenvolvimento), LDCs (Países Menos Desenvolvidos) ou LLDCs (Países em Desenvolvimento sem Litoral).

Diferenças regionais

Como nas edições anteriores, o novo relatório de Restrições de Viagem da UNWTO também divide a análise do destino por regiões. A Europa continua a liderar o levantamento ou a redução das restrições a viagens, seguida pelas Américas, África e Oriente Médio. Enquanto isso, a Ásia e o Pacífico continuam a ser a região com o menor número de restrições a viagens atenuadas e o fechamento mais completo das fronteiras para o turismo internacional.

Olhando para o futuro, o relatório destaca o importante papel que os governos podem desempenhar para reiniciar o turismo. Dos dez maiores mercados de origem do turismo, quatro (representando 19% de todas as viagens internacionais em 2018) emitiram orientações aconselhando contra todas as viagens internacionais não essenciais. Os outros seis (representando 30% de todas as viagens de ida em 2018), no entanto, emitiram avisos de viagem mais matizados, baseando sua orientação em avaliações de risco baseadas em evidências.

Leave a Reply

%d bloggers like this: